sexta-feira, 22 de junho de 2012

Prévia do trabalho final


Na última sexta-feira, 15/06, foi apresentado o que teríamos de fazer no trabalho final para a matéria de Diplomática e Tipologia Documental, e tem como foco o processo. Especificando, escolhemos um documento da Secretaria de Biblioteconomia, que viria a constituir um processo e chegaria até a guarda no CEDOC, a partir daí faríamos uma análise sobre este, sua tramitação, a normatização e demais observações. O documento escolhido para ilustrar a análise foi à solicitação de custeio de evento dos alunos de biblioteconomia, o Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação (EREBD SUL 2012), englobando a solicitação de ônibus e a do custeio do evento.

Essa atividade se trata de uma situação hipotética, na qual se imagina que todos os processos cheguem a guarda do CEDOC(centro de documentação da UnB), coisa que o responsável da secretaria afirmou que não acontece, uma vez que nenhum documento, processo da secretaria de Biblioteconomia tem como destino o CEDOC.

Abaixo temos a capa dos processos disponibilizada pela secretaria, estes contém a tramitação do documento. Algumas partes foram censuradas para preservar informações de caráter interno da secretaria, independente disto, o grupo gostaria de agradecer ao Luis que nos forneceu o material, e nos recebeu muito bem, OBRIGADO Luis!!!



Breve análise da tramitação

Observamos que o interessado pelo pedido, o centro acadêmico de biblioteconomia fez uma solicitação ao custeio de ônibus para o EREBD, que acontecerá em Florianópolis, o documento começa a tramitação na FCI, enviado para o DAIA na sequência, após passar por outros lugares afim de aprovação e liberação de verba, acaba voltando para a FCI(isto porque a documentação do C.A de biblioteconomia estava com pendência, e portanto estes não poderiam fazer a solicitação). Após resolver o problema, continua-se a tramitação, é possível perceber que a solicitação acaba passando por muitos departamentos, DPO, DPL, até que o DAF autorizou a liberação, então volta para a FCI e é enviado para o DOR, onde acontece a liberação do crédito aprovado pelo DAF. Percebe-se que houve muitas idas e vindas, o que se deve ao fato de a solicitação ser de custeio, e os decanatos e diretorias pelos quais passou não possuir a verba para outorgar o pedido.

Já a outra solicitação de custeio foi encaminhada para o DEA para que este autorize e que ajude no custeio das diárias. Anteriormente o DEA não havia fornecido a verba e agora sim, o que foi explicado é que o DOR liberou a verba para o ônibus, após a autorização por parte do DEA que ajudou com uma parte menor do custeio.



Nenhum comentário:

Postar um comentário